Categoria: Diário do jardim e do quintal

Vespa do género Polistes
Vespa do género Polistes.

Hoje abateu-se uma calma sobre o jardim. O fim de tarde estava silencioso, a luz bonita, a temperatura amena. Estive a apanhar framboesas, amoras e tomates. Observei inúmeros insectos. Foi o primeiro dia este ano em que posso dizer que desfrutei realmente do jardim.

Quando anoitece, o jardim fica agora com o aroma do Cestrum nocturnum do caminho lateral. O do Jardim Branco praticamente não tem flor.

Os cães não me deixam em paz com as covas constantes, o que além de bastante desanimador, me faz perder imenso tempo que não tenho e poderia utilizar em tarefas de verdadeira jardinagem.
O jardim teve de levar uma valente limpeza, entre ervas e podas para se poder passar nos caminhos. Também continuei a remover a camomila seca do quintal. Estou sem lugar para detritos, tenho de triturar mais e principalmente revirar a pilha principal de composto. Como está tudo ligado, implica arrumar a garagem, porque já nem consigo tirar o triturador. Ainda há muito mais para podar e cortar, designadamente uma das bétulas do Jardim Branco (neste caso, vou esperar pelo Inverno).

Recolhi sementes de alface, cebolinho, alho-francês, salsa e Alcea rosea ‘Nigra’. Este ano foi um desastre, mas o jardineiro pensa sempre para a frente, nunca para trás.

Removi um Teixo morto e o Acer shirasawanum ‘Aureum’ que já só tinha um ramo vivo, esteticamente estava liquidado. Este último foi uma perda grave. O Teixo vai ser substituído por outro.