Categoria: Indicações úteis

Semear em linhas ou padrão geométrico

Quando se utiliza terra do jardim nas sementeiras, é natural que germinem muitas ervas daninhas. Deve-se semear em linhas ou em algum padrão geométrico identificável e não apenas espalhando simplesmente as semente na terra. Desse modo podemos distinguir entre as pequenas plantas que nos interessam e as pequenas ervas que vão aparecendo.

Regar sementeira em vaso

Regar

Quando se faz uma sementeira em vaso, especialmente de sementes pequenas, a terra deve ser preferencialmente regada previamente. Há quem regue depois e não há apenas uma forma certa, mas eu passei a regar desta forma depois de ver Geoff Hamilton (Wikipedia) a fazer o mesmo no programa televisivo Gardener’s World.
Por exemplo, com sementes como da Dedaleira, Digitalis purpurea, que não são cobertas, regar irá arrastar as sementes todas para um lado. Nestes casos, até à germinação deve-se manter a terra húmida com um pulverizador suave.

Podar a camélia

Camélia, Camellia japonica 'Pomponia portuense'
Camélia, Camellia japonica ‘Pomponia portuense’.

Esta apreciada ornamental deve ser podada no fim do Inverno ou início da Primavera, após a floração. Removem-se os ramos secos, doentes, fracos, cruzados com outros ou que retirem a harmonia geral da planta, tendo em atenção que o último gomo deve ter a orientação que se deseja. Por exemplo, não faz sentido cortar um ramo e deixar o gomo de onde brotará o crescimento da época, virado para dentro. O que se pretende é manter a camélia aberta à luz e ao ar.
Com excepção de uma poda drástica de rejuvenescimento de uma árvore antiga ou a poda de uma sebe, a poda deve ser leve, na minha opinião quase inexistente. A planta tem sempre melhor aparência quando está com um aspecto natural. Se o exemplar necessitar de uma poda drástica, é preferível prolongar essa tarefa por dois ou três anos.
Uma alternativa interessante à poda, é remover gomos indesejados antes de se começarem a desenvolver em novos ramos na Primavera. É uma acção preventiva.

Regar bem

Regadores

As plantas além do ar e do Sol, precisam de água e isso torna-se mais premente nos dias quentes do Verão. Devemos conhecer as nossas plantas e regar regularmente, umas mais que outras, mas todas de forma a que a água chegue onde é necessária: As raízes. Não vale realmente a pena regar as folhas1, muitas das quais actuam como um verdadeiro guarda chuva, impedindo a água de chegar ao solo. Pode-se verificar com uma colher de jardineiro até onde foi a água no solo molhado, o mais certo é ter ficado à superfície e logo um centímetro abaixo ser só pó seco.
Deve-se retirar o raro ao regador e encharcar bem o solo, fazendo uma pequena caldeira em volta da planta para não deixar a água espalhar-se. Como regra um pouco grosseira podemos calcular que 1cm de água no solo, penetra em profundidade 6-7cm. A melhor altura para regar é sem dúvida ao fim da tarde, o Sol já se está a pôr, a evaporação vai ser menor e a planta terá o solo húmido toda a noite e pelo menos parte da manhã seguinte. Depois basta sentar-se e desfrutar do seu jardim nestes longos dias de Verão.

  1. Eu apenas faço isso depois de várias semanas sem chuva, para retirar o pó acumulado. []

Afolhamento

Afolhear um terreno é colocar em prática uma série sucessiva de culturas de diferentes géneros. Desfolhar é mudar a ordem da sua sucessão ou a introdução de novos géneros. A cada divisão do terreno e a cada ano do giro das culturas, dá-se o nome de folha.
Para que o terreno de uma horta esteja vago o menor tempo possível, com a sua fecundidade conservada, é indispensável esta rotação de culturas, ou seja, não cultivar no mesmo local duas vezes seguidas a mesma planta. Por muito que se tente restituir à terra os princípios esgotados por meio de estrumação, a segunda cultura nunca terá o mesmo vigor e a terceira será ainda pior. Também há o risco de doenças e pestes se instalarem no solo, tornando-se um problema.