Etiqueta: número 1

Falsa sementeira

Preparam-se os canteiros como se fosse para semear e espera-se que as ervas despontem em quantidade, para imediatamente as controlar, arrancando, sachando ou usando outra técnica que julguem apropriada. Só depois se faz realmente a sementeira pretendida e o número de daninhas fica substancialmente reduzido.

Publicado originalmente no blogue Quinta do Sargaçal.

Reutilização de pulverizadores

Pulverizador
Pulverizador de limpa-vidros reutilizado.

Com dezenas de produtos utilizados em casa que são vendidos com pulverizador, não faz sentido estar a comprar pulverizadores específicos para o jardim. Apenas é necessário lavar muito bem a embalagem vazia e temos pulverizador para muitas utilizações, pois nem se revelam de pior qualidade que os de marca. Apenas lhes falta a regulação do fluxo, mas o que tem é adequado para a esmagadora maioria das aplicações.

Seeds: The Ultimate Guide to Growing Successfully From Seed

Seeds

Jekka McVicar é uma especialista em aromáticas, que além de gerir o seu próprio viveiro Jekka’s Herb Farm, tem já 62 medalhas de ouro da RHS, incluindo 14 no famoso Chelsea Flower Show. Aventura-se aqui na reprodução por sementes, não só de aromáticas, mas de todo o tipo de plantas.
E é exactamente por tipo que o livro está organizado, desde alpinas, anuais, fetos, vegetais, aromáticas, árvores… Representantes de todos os tipos de plantas, com mais de 500 genera têm o seu lugar, com uma breve descrição da planta, das sementes e do método utilizado na sementeira para conseguir bons resultados. No final uma secção de informações práticas, desde a recolha de sementes, passando pelo solo, até à etiquetagem, com uns rudimentos de botânica para que se possa entender melhor a semente e o método de reprodução das plantas. Ainda uma útil bibliografia e uma lista de retalistas (no Reino Unido) onde podem ser adquiridas sementes. As fotografias, excelentes, são de Marianne Majerus.
O livro está muito bem impresso na edição que eu tenho da Kyle Cathie (diferente da imagem e do link para a Amazon, mais recente), se bem que a capa e a encadernação podiam estar alguns furos acima. Mas é um excelente livro que só posso recomendar.

Seeds: The Ultimate Guide to Growing Successfully From Seed de Jekka McVicar, na Amazon.co.uk.

Larva de joaninha

Larva de joaninha
Larva de joaninha numa folha de roseira.

As joaninhas e as suas larvas são dos melhores amigos que podemos ter no jardim. Na verdade, a maior parte dos insectos são benéficos, mas o uso indiscriminado de insecticidas e o desconhecimento, fazem com que sejam destruídos junto com as pestes. Agora na dúvida, nunca elimino insectos que desconheço.
Também não advogo a utilização de químicos nas nossas hortas e jardins, no entanto, a revista The Garden da RHS no seu número de Maio de 2009 (re)lembra alguns dos cuidados a ter. A sua utilização de acordo com as indicações, muitas vezes ignoradas pelos nossos horticultores, é o primeiro passo para minimizar eventuais impactos negativos no ambiente.

  • Antes de comprar, deve-se ter a certeza que o produto é eficaz contra a peste, doença ou daninha que se pretende eliminar. Deve-se evitar comprar mais do que se utiliza num ano.
  • Nunca se deve verter os pesticidas para outros recipientes, pois o rótulo do produto contém informação vital, designadamente os seus compostos activos, números de registo, dosagem, modo de aplicação e os problemas que combate. Esta informação também é útil para os serviços de emergência, em caso de intoxicação.
  • Os pesticidas devem ser guardados num local fresco, fora do alcance de crianças e animais de estimação. Deve-se evitar Sol directo, pois os líquidos evaporam e os rótulos tornam-se ilegíveis.
  • Produtos em pó ou em grão devem ser guardados acima dos líquidos — isto elimina o risco de reacções químicas adversas no caso dos líquidos verterem.
  • Fertilizantes e outros produtos devem ser guardados separadamente dos pesticidas para evitar eventuais confusões.
  • Ao fazer soluções a partir de concentrados (os produtos que requerem diluição antes da utilização), utilize água de um recipiente, em vez de directamente da torneira ou mangueira. Faça menos solução do que pensa ser necessário: é melhor voltar a fazer um pouco posteriormente do que utilizar demais ou sobrar e ter que deitar fora.
  • Depois de vazios, os frascos de concentrados devem ser passados por água três vezes ao fazer a última diluição. Depois podem ser colocados nos contentores habituais de separação de lixo.
  • Embalagens de produtos prontos a usar também podem ser colocadas nos contentores habituais.

A comissão europeia revê regularmente a lista de químicos que se podem utilizar. A Rotenona que até agora podia ser utilizado na horticultura biológica (designadamente contra o escaravelho da batateira), foi retirada em Outubro de 2008 (em definitivo em 10 de Outubro de 2013).

Links de interesse

Meet the Beneficial Insects (Organic Life)
Attracting Beneficial Insects (Fine Gardening)

A teoria da horticultura

Horticultura é aquela área do conhecimento que se relacciona com o cultivo, multiplicação e melhoramento do Reino Vegetal. Divide-se em dois ramos, os quais apesar de mutuamente dependentes, são de facto, essencialmente distintos: A arte e a ciência. Sob a arte da horticultura estão compreendidas a execução das tarefas relaccionadas com o cultivo, multiplicação e melhoramento; a ciência explica as razões em que se funda a prática.

John Lindley in “The Theory of Horticulture”. New York: John Willey, 1852