Etiqueta: número 4

Ervilha-de-cheiro, Lathyrus odoratus

As Ervilhas-de-cheiro proporcionam um mostruário de flores de cores exóticas, com um aroma muito agradável que invade todo o jardim. É uma planta originária do Mediterrâneo, da Sicília a Creta. Cultiva-se muito facilmente, se bem que necessitando de suporte adequado. As sementes, ao contrário das outras ervilhas, são venenosas e não devem ser ingeridas por pessoas ou animais. Podem ser utilizadas como flores de corte, o que acaba por estimular o aparecimento de mais flores e prolongar a época de floração.

Ervilhas-de-cheiro, Lathyrus odoratus

Ervilhas-de-cheiro, Lathyrus odoratus

Cultivo

As Ervilhas-de-cheiro são plantas esfomeadas que necessitam de terra muito fértil, todo o Sol disponível e bastante água com tempo quente. Com o suporte adequado podem atingir dois metros de altura.
Cortar a ponta depois de nascer o segundo par de folhas, encoraja um crescimento mais arbustivo e a formação de mais flores.
Depois de florir, vão-se removendo as flores secas.

Recolha das sementes

As sementes podem ser guardadas para semear no ano seguinte, mas as plantas podem não ser réplicas exactas das originais. Colhem-se as vagens e deixam-se a secar. Abrem-se as vagens e guardam-se as sementes em local fresco e seco.

Sementeira

Pode-se semear em vasos de Outubro a Janeiro em estufa, ou de Fevereiro a Abril no exterior, a um centímetro de profundidade. Necessita de cerca de 20°C para germinar ao fim de sete a 21 dias. Para aumentar as probabilidades de germinação, podem-se deixar as sementes mergulhadas em água morna na noite anterior à sementeira.

J F M A M J J A S O N D
Semear Semear Semear Floração Floração Floração Recolher sementes Semear em estufa Semear em estufa Semear em estufa

Características

Hábito Caducifólia, trepadeira
Fragante Sim
Altura 1-2m
Exposição Sol
Água Regular
Solo Muito fértil, bem drenado
PH do solo De ácido a alcalino
Longevidade Anual

Doenças

Sem problemas em Portugal.

Links de interesse

Wikipedia (com alguma história da introdução desta planta em Inglaterra).
Plants for a Future (Nota mínima em comestível e medicinal).

Ervilhas-de-cheiro, Lathyrus odoratus
Ilustração de Pierre-Joseph Redouté (1759-1840).

Urtiga, Urtica dioica subsp. Dioica (Urticaceae)

A urtiga, tão condenada como um pária dos campos, arrancando-se desapiedadamente onde quer que aparece, é uma das plantas mais úteis. Pode ser utilizada como chorume contra os pulgões, fertilizante líquido ou até sopa.

Urtiga, Urtica dioica
Urtiga, Urtica dioica

Oferece aos animais um alimento fresco e tanto mais precioso quanto é uma das plantas mais temporãs. As vacas e as cabras que se alimentam com ela, dão melhor leite e mais abundante, com mais nata e sabor mais açucarado.
Basta na primavera arrancar-lhe os novos rebentos, deixá-los secar um pouco ao ar e misturá-los depois na proporção de uma quarta parte à erva e à palha, não havendo receio de que piquem a boca dos animais, que a comem com avidez. O esterco que resulta desta mistura favorece muito as culturas.
As aves engordam rapidamente quando submetidas a um regime das suas sementes. Destas sementes extrai-se um óleo de gosto delicado e que tomado em caldo favorece a secreção de leite.

Urtiga, Urtica dioica
Flora von Deutschland Österreich und der Schweiz (1885).

Aplicado externamente, reanima a sensibilidade dos tecidos da pele, aumenta a elasticidade dos músculos e facilita o jogo das articulações.
Olivier de Serres, o pai da agricultura francesa, diz que a Urtiga proporciona uma matéria com a qual se fazem boas e bonitas telas. Com efeito, fabricam-se na China desde tempos imemoriais telas maravilhosas, tecidas com a fibra da Urtiga branca, que compete com vantagem com os produtos mais finos do melhor linho.

Cultivo

É uma planta que praticamente se cultiva sozinha, preferindo solos ricos em fosfatos e nitrogénio. Reproduz-se por semente ou pelas raízes.

Doenças

Sem problemas.

Colheita

Varia muito com a região, em Portugal, seguramente no Inverno. Rebentos novos para culinária, plantas mais desenvolvidas para chorumes e fertilizante.

Links de interesse

Etno Medica (43 usos para as urtigas).
Flora Celtica (Utilização da urtiga).
Plants for a Future (Nota máxima em comestível e medicinal).

Este texto foi baseado e em parte transcrito do artigo “Utilidade da Ortiga”. Jornal Horticolo-Agricola [Porto], Fevereiro 1901: 31-32.

Evitar gatos e pássaros nas sementeiras

Os canteiros acabados de semear são um alvo fácil para os gatos que gostam de se recriar na terra solta e as sementes acabam por ser um festim para os pássaros. Uma forma fácil de se evitar uns e outros é espalhar ramos nús de podas recentes sobre os canteiros, que devem ser retirados mal as jovens plantas começem a sair da terra.
Não se deve utilizar ramos de coníferas ou outras árvores de folha persistente, para não obscurecer a germinação.
Se os pássaros ficarem espertos e pouco impressionados, costumo pendurar CDs cujo brilho ao Sol parece assustá-los. Por fim quando tudo falha, recorro a uma rede.
Também existe uma série de repelentes para gatos à venda nas grandes superfícies e alguns centros de jardinagem, mas nunca experimentei.

Faculdade germinativa das sementes de algumas plantas hortenses

Sementes de Tomate 'Coração-de-boi'
Sementes de Tomate ‘Coração-de-boi’.
Sementes de Pimento 'de Padrão'
Sementes de Pimento ‘de Padrão’.
Abóbora As sementes conservam-se em bom estado durante 10 anos.
Acelga Semente boa dois anos.
Aipo A semente é boa durante três ou quatro anos.
Alface As sementes não se conservam mais de três anos.
Alho As sementes conservam-se boas dois ou três anos.
Beringela A semente é boa ainda no segundo ano.
Cebola A semente dura três a quatro anos.
Cenoura A semente é boa até 10 anos.
Cerefolho A semente conserva-se três anos.
Chicória A semente conserva-se cinco a seis anos.
Couve As sementes são boas cinco ou seis anos.
Espargo A semente não é boa passado o segundo ano.
Espinafre As sementes conservam-se dois ou três anos.
Fava As sementes conservam-se cinco ou seis anos.
Feijão As sementes são boas dois anos.
Melão As sementes são boas durante 10 anos.
Morangos As sementes são boas apenas no primeiro ano.
Pepino As sementes estão em bom estado durante 10 anos.
Pimento A semente é boa até aos quatro anos.
Rabanetes As sementes são boas quatro ou cinco anos.
Salsa As sementes conservam-se três ou quatro anos.
Tomates As sementes conservam-se três ou quatro anos.
As sementes devem ser conservadas em local fresco e seco.

Jornal Horticola-Agricola, Julho de 1901.

Época das podas das fruteiras

De folhas caducas

A poda faz-se quando se encontrem despidas de folhas. Nas regiões frias e onde são frequentes os gelos e geadas, deve fazer-se mais tardiamente para que a cicatrização não fique prejudicada.

Laranjeira, Citrus × sinensis
Laranjeira, Citrus × sinensis ‘De Setúbal’.

De folhas persistentes

Faz-se depois da colheita dos frutos e antres do abrolhamento dos gomos. Devem ser feitas durante o período de repouso vegetativo. As podas tardias provocam muitas vezes a “chora” (“sangrar” de seiva). Não se deve podar com tempo de vento forte e frio, nem de geada.

Podas de Verão

Os citrinos podem ser podados nesta altura, quando não tivesse sido possível podas no curto intervalo de tempo que vai da colheita à nova floração.
As podas de Verão são podas em verde. Reduz-se quase sempre à supressão dos ramos ladrões (em Maio e Junho). Pode-se despontar alguns ramos e nas árvores conduzidas, podar um pouco para formação.

Manual do Podador 8ª. Edição. Porto: Quinzenário Agrícola “O Lavrador”, 1963.